Referências católicas que não te contaram sobre a CF Ecumênica 2021

A Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) é proposta pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) como parte do itinerário quaresmal em preparação para celebrar a Páscoa do Senhor. Em conjunto com as demais Igrejas-membro do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), a CFE 2021 é a quinta edição dessa iniciativa que fortalece a caminhada ecumênica da Igreja conforme o convite de São João Paulo II na carta encíclica Ut Unum Sint. O documento pontifício é uma das tantas referências católicas que uma leitura superficial e até maldosa pode não permitir encontrar. Mas o Portal da CNBB ajuda nessa tarefa.

A origem

A Campanha da Fraternidade é uma iniciativa da Igreja no Brasil que, desde 1964, vem iniciando diversos processos de transformação à luz da Palavra de Deus como resposta do coração que se converte. Assim como Jesus ensina em Mateus 25, 40, a Igreja em Natal buscou há mais de 50 anos atender à necessidade urgente de famílias que necessitavam de alimento. E assim se seguiu colocando a caridade cristã em prática. Por meio da reflexão sobre a realidade à luz da Palavra de Deus, a Campanha da Fraternidade é um momento de convite à conversão no Tempo da Quaresma.

Conversão

E o texto base aponta para o chamado à conversão logo no início. Esse processo no centro da espiritualidade quaresmal “nos provoca a pensarmos e repensarmos cotidianamente nossa forma de estar no mundo”. Na busca pela conversão o convite é para refletir “como nos envolvemos com as transformações sociais, econômicas, espirituais, ecológicas, individuais e coletivas, a fim de que sejamos, cada vez mais coerentes com os ensinamentos de Jesus nos Evangelhos”.

O Catecismo da Igreja Católica ressalta as três formas de penitência interior do cristão ensinadas pela Escritura e pelos Padres da Igreja: o jejum, a oração e a esmola. Elas “exprimem a conversão, em relação a si mesmo, a Deus e aos outros”. No parágrafo 1435, a Igreja ensina que “a conversão realiza-se na vida quotidiana por gestos de reconciliação, pelo cuidado dos pobres, o exercício e a defesa da justiça e do direito, pela confissão das próprias faltas aos irmãos, pela correção fraterna, a revisão de vida, o exame de consciência, a direção espiritual, a aceitação dos sofrimentos, a coragem de suportar a perseguição por amor da justiça”.

A CFE 2021, portanto, convida à conversão ao diálogo e ao compromisso de amor:

“A Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 quer ser um convite para viver um jejum que agrada a Deus e que conduz à superação de todas as formas de intolerância, racismo, violências e preconceitos. Queremos que nosso arrependimento contribua para assumirmos outras posturas em relação a cada pessoa que encontrarmos ao longo do caminho e que, ao longo dos 40 dias da Quaresma, nos perguntemos se nossa prática cristã promove a paz ou potencializa o ódio. Esperamos que este seja um tempo que nos ajude a testemunhar e anunciar com a própria vida que Cristo é a nossa paz, adotando comportamentos de acolhida, de diálogo, de não violência e antirracistas”, lê-se no texto base.

Seguimento a Jesus Cristo

Conversão, na realidade cristã também consiste em seguir a Jesus Cristo como discípulo. A CFE 2021 propõe uma trajetória que visa conduz a um reencontro com a vida de amor anunciada por Jesus. Ao refletir sobre o testemunho como pessoas batizadas, são feitas algumas perguntas: “Qual é o significado e o sentido do seguimento a Jesus? Associamos o nome de Jesus mais ao amor ou à intolerância? Nossa fé em Jesus Cristo tem contribuído para posturas de acolhida e de compromisso com as pessoas vulneráveis e vulnerabilizadas, pobres e excluídas e de comprometimento em projetos de superação das desigualdades?”

A fim de concretizar a oferta de Jesus “Eu vim para que todos tenham vida e vida em plenitude” ( Jo 10,10), a Campanha da Fraternidade 2021 quer ajudar “a florescer a cultura da paz como consequência da transformação de todas as estruturas desiguais como o racismo, a disparidade econômica, de todas as formas de segregação, geradoras de conflito e violência”.

Assim como os discípulos de Emaús, cuja passagem bíblica conduz as reflexões da CFE 2021, todos são chamados a redescobrir Cristo no caminho e aprender que “a paz do Ressuscitado que nos une”. Como um dos modos de viver a espiritualidade quaresmal, a CFE convida as comunidades de fé a realizarem o caminho de Emaús, a partir das seguintes paradas de acordo com o padre Patriky Samuel Batista:

1. Contemplar a realidade com os olhos da fé;
2. Iluminar a realidade a partir do texto dos discípulos de Emaús e também da carta de Paulo aos Efésios;
3. Contemplar as boas práticas que já existem em favor do diálogo e olhar a realidade e perceber sinais concretos de um caminho dialogal;
4. Celebrar. A grande convivência entre as Igrejas Cristãs é o grande testemunho que nós podemos oferecer ao mundo.

Empenho Ecumênico

Ao contrário da visão negacionista em relação ao Concílio Vaticano II, sobre a qual o Papa Francisco já alertou recentemente – “Quem não segue Concílio não está na Igreja” -, a Igreja reconhece que «fora da sua comunidade visível, se encontram muitos elementos de santificação e de verdade, os quais, por serem dons pertencentes à Igreja de Cristo, impelem para a unidade católica.

“Por isso, as Igrejas e Comunidades separadas, embora creiamos que tenham defeitos, de forma alguma estão despojadas de sentido e de significação no mistério da salvação. Pois o Espírito de Cristo não recusa servir-se delas como de meios de salvação cuja virtude deriva da própria plenitude de graça e verdade confiada à Igreja Católica”, afirma o Papa João Paulo II na Carta encíclica Ut Unum Sint – sobre o empenho ecumênico.

E é justamente esse documento católico que inspira a ação para recuperar a capacidade de dialogar e resgatar o diálogo como compromisso de amor. “Essa expressão ‘compromisso de amor’ se deve a São João Paulo II naquela carta encíclica Ut Unum Sint, onde o Papa nos exorta a testemunhar o diálogo como compromisso de quem ama”, recorda o secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patrily Samuel Batista, na primeira videoaula sobre a CFE 2021. Para acessar uma formação edificante em vídeo sobre a CFE 2021, clique aqui.

Na encíclica publicada em 1995, São João Paulo II afirma que o empenho ecumênico deve fundar-se na conversão dos corações e na oração, “ambas induzindo depois à necessária purificação da memória histórica”. E ainda que “juntamente com todos os discípulos de Cristo, a Igreja Católica funda, sobre o desígnio de Deus, o seu empenho ecumênico de reunir a todos na unidade”.

De fato, “a Igreja não é uma realidade voltada sobre si mesma, mas aberta permanentemente à dinâmica missionária e ecumênica, porque enviada ao mundo para anunciar e testemunhar, atualizar e expandir o mistério de comunhão que a constitui: a fim de reunir a todos e tudo em Cristo; ser para todos “sacramento inseparável de unidade”.

O documento papal motivou iniciativas concretas no empenho ecumênico que, aqui no Brasil, resultou na primeira Campanha da Fraternidade Ecumênica no ano 2000.

“Eu mesmo tenciono promover todo e qualquer passo útil a fim de que o testemunho da Comunidade Católica inteira possa ser compreendido em toda a sua pureza e coerência, sobretudo na perspectiva daquele encontro que espera a Igreja no limiar do novo Milénio, hora excepcional em vista da qual ela pede ao Senhor que a unidade entre todos os cristãos cresça até chegar à plena comunhão”, escreveu João Paulo II.

Quando se faz memória da caminhada ecumênica no Brasil, ganha relevo o aprofundamento da compreensão de que tanto a missão como a evangelização devem ser orientadas para o que é essencial na fé em Jesus Cristo: crer em sua palavra, acolher seus mandamentos e a partir daí trabalhar para a superação das desigualdades, das violências, do exclusivismo das identidades confessionais.

Oração

Em mais de uma ocasião, o texto base da CFE 2021 oferece ainda uma oração, de autoria do cardeal José Tolentino Mendonça, para este tempo de pandemia. O poeta português, criado cardeal pelo Papa Francisco, pede em sua oração o livramento do coronavírus, mas de tantos outros, como “o vírus do pânico disseminado, que em vez de construir sabedoria nos atira desamparados para o labirinto da angústia”.

Livra-nos, Senhor, deste vírus, mas também de todos os
outros que se escondem dentro dele.

Livra-nos do vírus do pânico disseminado, que em vez
de construir sabedoria nos atira desamparados para o
labirinto da angústia.

Livra-nos do vírus do desânimo que nos retira a fortaleza
de alma com que melhor se enfrentam as horas difíceis.

Livra-nos do vírus do pessimismo, pois não nos deixa
ver que, se não pudermos abrir a porta, temos ainda
possibilidade de abrir janelas.

Livra-nos do vírus do isolamento interior que desagrega,
pois o mundo continua a ser uma comunidade viva.

Livra-nos do vírus do individualismo que faz crescer as
muralhas, mas explode em nosso redor todas as pontes.

Livra-nos do vírus da comunicação vazia em doses massivas,
pois essa se sobrepõe à verdade das palavras que
nos chegam do silêncio.

Livra-nos do vírus da impotência, pois uma das coisas
mais urgentes a aprender é o poder da nossa
vulnerabilidade.

Livra-nos, Senhor, do vírus das noites sem fim, pois não
deixas de recordar que tu mesmo nos colocaste como
sentinelas da aurora.

Sobre o Fundo Nacional de Solidariedade (FND)

Uma importante ferramenta foi instituída pelo episcopado brasileiro, em 1998, durante a sua 36ª Assembleia Geral, com o propósito de promover a sustentação da Ação Social da Igreja Católica no Brasil. Trata-se do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) e o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), que financiam empreendimentos locais e ambientalmente sustentáveis, fomentando o desenvolvimento comunitário com base nas necessidades, práticas e culturas locais.

À época, a Cáritas Brasileira, entidade de promoção e atuação social vinculada à CNBB, teve papel importante na gestão dessas ferramentas. A experiência na administração de fundos de apoio a pequenos projetos, ancorada numa perspectiva pedagógica não assistencial e sustentada por formas de relações de trocas comunitárias solidárias – próprias das culturas locais –, financiadas com recursos da Cooperação Internacional credenciou o organismo da CNBB para assumir os processos de animação, administração e gerência do FNS e do FDS até o ano de 2014. Em 2015, os Fundos de Solidariedade passaram a ser geridos diretamente pela CNBB, através do Conselho Gestor e de seu Departamento Social, com a finalidade de apoiar os projetos sociais da CNBB, em nível nacional.

A composição dos Fundos passa pelo histórico da Campanha da Fraternidade (CF), iniciativa da CNBB, realizada desde 1964. Formado por 60% de toda a arrecadação da Coleta Nacional da Solidariedade, gesto concreto da CF, realizado em todas as dioceses, paróquias e comunidades durante o Domingo de Ramos, o FDS é gerido pela própria diocese, em vista dos seus projetos sociais. Os outros 40% compõem o FNS, que é administrado pelo Departamento Social da CNBB, sob a orientação do Conselho Gestor.

Todo ano, o Departamento Social da CNBB publica um edital específico, com critérios, para seleção dos projetos sociais. São priorizados aqueles que estejam em sintonia com os objetivos gerais e específicos da Campanha da Fraternidade vigente no ano. “Desde 2015 temos aprimorado o conteúdo do edital e também as suas formas de garantir a idoneidade das entidades que nos procuram, então passamos a exigir cada vez mais da entidade documentações que vão nos dizer se ela tem condições ou não de ser avaliada em uma determinada reunião do Conselho Gestor que está prevista”, explica o coordenador de projetos e encarregado do Departamento Social, Franklin Ribeiro.

Gestão, avaliação e  monitoramento dos projetos

Reunião do Conselho Gesto do FNS. Foto: Comunicação CNBB.
Para selecionar os projetos, fiscalizar e acompanhar a aplicação dos recursos, o FNS conta com um Conselho Gestor,  grupo vinculado à presidência da CNBB, que tem como missão decidir sobre a destinação do FNS, supervisionando a sua administração e aplicação.

“Foi algo impactante porque nós vimos que os recursos do Fundo Nacional Solidariedade têm gerado vida, resgatado a autoestima das pessoas, mobilizado as comunidades e resgatado alguns valores, como por exemplo os mutirões e os encontros da comunidade”.

Esse é o relato do secretário-executivo de campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Patriky Samuel, após uma visita de avaliação e monitoramento aos projetos apoiados pelo fundo na diocese de Januária, que fica no norte de Minas Gerais realizada de 10 a 12 de fevereiro de 2020.

O responsável pelo Departamento Social da CNBB, Franklin Ribeiro Queiroz, conta que, em média, são 200 projetos apoiados por ano, num valor em torno de 15 a 20 mil reais cada. “A transformação que eles nos reportam através desse pequeno recurso são coisas que nos surpreendem”, afirma.

Franklin também ressalta a origem do recurso, recordando a “oferta da viúva”, na passagem bíblica de Lucas 21: “Quando esse recurso chega aqui, ele já vem com esta carga de amor que é colocado na doação. É isso que multiplica esse dinheiro e faz esse efeito das entidades tão agradecidas por um recurso que faz uma diferença gigante na vida deles, pouco dinheiro que faz muito”.

A partir de amanhã, 10 de fevereiro, a Assessoria de Comunicação da CNBB vai divulgar a cada dia projetos apoiados com recursos do Fundo Nacional de Solidariedade em todo Brasil.

Transparência na gestão dos recursos

Desde 2018, o FNS disponibiliza um site onde é possível acompanhar e saber como anda a evolução da prestação de contas dos projetos, por meio do Portal da Transparência que pode ser acessado pelo site: www.fns.cnbb.org.br. Nele, há uma relação completa dos projetos aprovados.

A CNBB também presta contas ao Ministérios da Cidadania e Justiça, Ministério Público e ao Conselho de Assistência Social (CAS).Conheça, no vídeo abaixo, os projetos apoiados pelo FNS nas cinco regiões brasileiras em 2019:



Fonte:
CNBB

Tags: