Arquidiocese qualifica conselheiros de políticas públicas

A Dimensão de Justiça Caridade e Paz da Arquidiocese de Porto Alegre, em parceria com o Mensageiro da Caridade, o Grupo Fé e Cidadania e a Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, concluiu no dia 18 de fevereiro o Curso de Formação de Conselheiros de Políticas Públicas. Foram três meses de aulas on line e atividades complementares. O grupo que concluiu o curso é formado de 48 participantes, que receberam certificados pela ESTEF. O corpo de assessores teve qualificados como dirigentes de grandes projetos, conselheiros de políticas públicas, gestores de órgãos públicos e professores universitários.

A participante de Esteio, Cláudia Alves, destacou o alto nível do programa de formação pela qualidade das temáticas e assessores qualificados. “Este aprendizado conduz a uma nova postura. Temos de batalhar por políticas públicas que garanta a inclusão e os direitos das pessoas em situação de vulnerabilidade”. Ela afirmou que o curso mostrou um procedimento importante para o trabalho social da Igreja. “A caridade é necessária, mas o mais importante é a transformação social que assegure os direitos das pessoas”. Ela manifestou o desejo do grupo de continuidade deste processo de formação, com intuito de qualificar a presença dos cristãos nos espaços de gestão das políticas públicas.

O Diretor Executivo do Mensageiro da Caridade, Luís Carlos Campos, afirmou que a entidade sentiu-se honrada em participar desse projeto de políticas públicas com o aporte de fé. “Tenho certeza que o curso despertou o interesse e a oportunidade de qualificar para a defesa dos direitos das pessoas. O desejo é que essa formação seja transformada em incidência política, para buscarmos o desenvolvimento social”.

Para o Diretor da ESTEF, José Bernardi, os centros acadêmicos e as organizações da sociedade civil não podem abdicar dessa oportunidade de qualificar pessoas para interferir nos espaços de definição e deliberação das políticas púbicas. ”Não basta estar nos espaços de controle social, mas atuar na defesa dos direitos das pessoas que têm mais dificuldades de acessá-los Por isso, é fundamental uma formação robusta para participar de forma crítica, qualificada e competente”. Ele ressaltou que “a certificação é uma forma de demonstrar o reconhecimento, que estamos preparados para essa missão de representação da sociedade”.

O arcebispo Dom Jaime Spengler agradeceu o empenho da equipe que concebeu e viabilizou a iniciativa. Para ele, tomar consciência e buscar o aperfeiçoamento das políticas públicas, amparados pela fé cristã e da Doutrina Social da Igreja requer esforço persistente e coletivo. “É esperançoso ver o desejo que os leigos têm de se qualificar para ser uma presença competente nos diversos conselhos”. Ele lembrou a recomendação do Papa Francisco de que  participar das políticas públicas nos abre os olhos para vermos que no pobre a carne de Cristo torna-se visível para ser reconhecido, tocado e assistido cuidadosamente. “O desmonte do caminho democrático que estamos percebendo no Brasil nos instrumentos de cuidado e promoção da vida, nos convoca ao empenho com determinação nos espaços públicos”. Ele acrescentou que se envolver com as políticas públicas é ajudar a construir uma verdadeira fraternidade e resgatar a dignidade e nobreza de cada vida humana. “Nossa consciência não pode ficar adormecida diante do drama da pobreza, que cresce de forma assustadora entre nós”.



Fonte:
Ascom

Tags: