Foi no final da 2º Guerra Mundial, em 1945, quando os países da Europa lutavam por recuperar-se, que o Brasil vivia um surto inflacionário. Nesta cenário, o Seminário de São Leopoldo (RS) não conseguia mais manter-se apenas com as contribuições dos alunos, e também não tinha uma chácara própria de onde pudesse tirar sua subsistência. Também a demanda por vagas era cada vez maior e o prédio precisava de reformas. Em carta de 1º de fevereiro de 1947, endereçada ao então Mons. Vicente Scherer, arcebispo eleito, a direção do seminário informava que a perspectiva era de que em 1950 haveriam 180 teólogos e 200 filósofos, e o seminário não comportava esse número.

 

Em função dessas dificuldades, em 22 de fevereiro de 1948, houve uma reunião do episcopado gaúcho (Porto Alegre, Santa Maria, Pelotas, Uruguaiana, Passo Fundo e Vacaria) na qual decidiu-se que era preciso construir um seminário. Foi enviada uma carta para a Congregação dos Seminários, pedindo autorização para tal. A resposta veio apenas em 1949, quando Dom Vicente Scherer viajou a Roma para expor o projeto. Ele retornou em 28 de maio de 1949 com a autorização da Santa Sé.

 

 

Era necessário encontrar um local. Os critérios de escolha eram: nem dentro nem longe de Porto Alegre, em clima saudável. Foram vistas as zonas mais altas de Canoas, Belém Velho, Belém Novo e Viamão, que tinha a preferência por causa da altitude e da pureza do ar, vindo do mar. O pároco de Viamão na época, Pe. Albino Ruwer, encontrou no Km 18 da estrada Viamão – Porto Alegre uma área de 76 hectares pertencente aos irmãos Gertum e que estava à venda. Dom Vicente Scherer, acompanhado por um grupo de padres, veio ver a área e, de forma unânime, decidiram que aí seria o melhor lugar.

 

 

As plantas do prédio foram feitas pelos arquitetos Plínio de Almeida e Arlete Schneider e, mais tarde, juntou-se a eles o Dr. Naum Turkenitch. O projeto previa espaço para 250 filósofos, com alojamentos, salas de aula, salas de estudo e capela, e para 250 teólogos, 160 com quartos individuais. Também haveria uma capela central com capacidade para 500 alunos. Os trabalhos de escavação das fundações teve início no dia 9 de novembro de 1950. A pedra angular foi colocada numa data simbólica: 3 de abril de 1951, vigésimo quinto aniversário de ordenação sacerdotal de Dom Vicente Scherer. Essa pedra foi colhida no Monte das Oliveiras e levada para Roma por Mons. Emílio Lottermann, onde foi abençoada pelo Papa Pio XII, em 24 de janeiro de 1951.

 

 

A direção

 

Como primeiro reitor do seminário foi nomeado o Pe. Edmundo Kunz, até então pároco da Igreja do Rosário, e que depois foi eleito bispo auxiliar de Porto Alegre. Pe. Attílio Fontana, diretor espiritual do Seminário São José foi transferido para Viamão, e os padres Waldemar Puhl e Guido Both integraram o corpo docente.

 

 

Com estas lideranças definidas, o ato de inauguração do Seminário Maior Interdiocesano Nossa Senhora da Conceição ocorreu no dia 14 de março de 1954, às 16 horas, com a presença do governador do Estado Gen. Ernesto Dornelles, os bispos gaúchos e de outras dioceses do país, o Núncio Apostólico, Dom Armando Lombardi e outras autoridades.

 

 

Os 61 primeiros seminaristas chegaram em 28 de fevereiro, em Viamão. Os trabalhos de economia doméstica foram confiados às Irmãs Franciscanas da Penitência e Caridade Cristã. O seminário construído era interdiocesano e recebeu alunos de todas as dioceses do Rio Grande do Sul e até de fora do Estado.

 

 

No ano seguinte, o Seminário teve sua primeira grande celebração: a Sagração Episcopal de Dom Edmundo Kunz, eleito bispo auxiliar de Porto Alegre, no dia 30 de outubro.

 

 

Formação

 

 

Sentia-se a necessidade que os sacerdotes fossem portadores de títulos e diplomas acadêmicos para poderem dialogar com um mundo em constante transformação. As disciplinas do curso de Filosofia ministradas no Seminário coincidiam com as do curso de Filosofia de qualquer faculdade no país, os alunos possuíam habilitação de segundo grau e os professores detinham os graus acadêmicos exigidos para a docência dessas disciplinas. Assim, o corpo docente e dirigente do Seminário decidiu, em 1956, por por elevar o curso seminarístico de Filosofia à categoria de faculdade.

 

 

O reitor, Mons. Attilio Fontana, levou a questão aos bispos gaúchos, que aprovaram o projeto. Dom Vicente Scherer ficou responsável pela concretização da ideia. Após contatos com o Ministério da Educação e Cultura, em 25 de julho de 1956, baixou decreto criando a Faculdade de Filosofia, ficando a Mitra da Arquidiocese de Porto Alegre como entidade mantenedora. Em 24 de abril de 1957, foi instalada a Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição(FAFIMC), com a presença do Núncio Apostólico e demais bispos gaúchos. Como primeiro diretor foi nomeado o Pe. Manuel Valiente.

 

 

Em 1969, a PUCRS inaugurou o Curso de Teologia. Os bispos cujos seminaristas estudavam em Viamão decidiram que todos os que já haviam cursado dois anos de Filosofia na FAFIMC, mesmo sem terem concluído o curso, no ano seguinte, iniciariam a Teologia na PUCRS.

 

 

O seminário interdiocesano funcionou até 31 de dezembro de 2003. A partir de 2004, quando foram inauguradas as novas casas, cada diocese passou a ter seu próprio seminário, com reitor próprio. O seminário de Porto Alegre passou a se chamar Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Conceição.

 

 

Os reitores do Seminário

 

1º Pe. Edmundo Kunz – 1954 a 1955

2º Mons. Attilio Fontana- 1956 a 1960

3º Pe. Ivo Lorscheiter – 1961 a 1965 (neste ano, foi eleito bispo auxiliar de Porto Alegre)

4º Pe. Angelo Mugnol - 08.12.1965 a 03.1966 (em março, foi eleito bispo auxiliar de Pelotas)

5º Mons. Otto Skrzypczak – 1966 a 1968

6º Dom Ivo Lorscheiter – final de 1968 a final de 1969 (bispo auxiliar de Porto Alegre e depois bispo de Santa Maria)

7º Pe. Paulo Moretto – final de 1969 até 1973 (Bispo emérito de Caxias do Sul – RS)

8º Pe. Dadeus Grings – 1973 a 1978 (hoje é arcebispo emérito da Arquidiocese)

9º Con. José Bonifácio Schimidt – 1979 a 1981

10º Dom Edmundo Kunz – 1982 a 1984 (bispo auxiliar de Porto Alegre) 

11º Pe. Oscar Colling – 1985 a 1990

12º Pe. Francisco Seibel – 1991 a 1996

13º Pe. José Inácio Steffen – 1997 a 1999

14º Pe. Rodolfo Luis Weber – 2000 a 2007 (hoje é arcebispo de Passo Fundo)

15º Pe. Márcio Antonio Andrade da Silva – 2008 a 2010

16º Pe. Leandro Miguel Chiarello – 2011 a 2013

17º Pe. Silvio Guterres Dutra –  2014 a 2018 (Atualmente bispo de Vacaria – RS)

18º Pe. José Loinir Flach - 2018 até hoje