Em outubro de 1936, foi lançada a “Pedra Angular” do Seminário Menor São José, situado no município de Gravataí (RS), pelo então arcebispo Metropolitano de Porto Alegre, Dom João Batista Becker, depois de abençoar todo o terreno de quase 300 hectares, adquirido pela Mitra Arquidiocesana. A construção iniciou em abril daquele ano e, para aquela cerimônia, toda a construção estava levantada a mais ou menos dois metros de altura, com exceção do local onde foi assentada a pedra angular.


O Seminário Menor São José de Gravataí foi construído inicialmente para abrigar até 240 seminaristas, mas chegou a ter quase 300 no seu apogeu. Todas as pedras do seu alicerce são provenientes da pedreira que existia no mesmo terreno. Nesses 75 anos de existência, passaram pelo seminário São José mais de três mil e duzentos alunos internos, dos quais quase 400 foram ordenados presbíteros e no mínimo, quatorze, ficaram bispos.


Em agosto de 2010, após uma reforma interna de adequação, que envolveu praticamente dois terços do prédio, foi inaugurada a Casa de Retiros São José, oferecendo 200 leitos, capela, salas de palestras, refeitórios, além dos espaços para a formação dos seminaristas menores e do curso de Propedêutico, estrutura utilizada, atualmente, também para empresas.


Neste ano de 2020, o Seminário Menor São José de Gravataí, conta com seis seminaristas no ensino médio que moram no seminário e estudam na Rede de Escolas São Francisco e cinco seminaristas no Curso Propedêutico.


Quase em anexo ao prédio do seminário, encontra-se o “Lar Sacerdotal” (construído no fim da década de 80 e ampliado no ano de 2011), casa que recebe os presbíteros que necessitam de tratamento de saúde, mantida pela “Sociedade Fraterno Auxílio”, associação composta do clero da Arquidiocese de Porto Alegre e das Dioceses de Osório e Montenegro.